Como realizar o treinamento resistido com os alunos hipertensos?







Como realizar o treinamento resistido com os alunos hipertensos? Por Prof. Dr. Newton Nunes.

Em alunos hipertensos e cardiopatas, o treinamento físico aeróbio produz um importante efeito hipotensor, razão pela qual é recomendado no tratamento da hipertensão arterial. Mais recentemente, porém, tem aumentado o interesse científico acerca dos efeitos cardiovasculares de outro tipo de exercício físico: os exercícios resistidos.

A recomendação no treinamento resistido é trabalharmos com o objetivo de resistência muscular localizada, ou seja, um número maior de repetições e cargas moderadas. Com isso, promovemos gradativamente a diminuição da pressão arterial dos nossos alunos hipertensos e cardiopatas após algumas sessões de treinamento físico.

Contudo, o treinamento físico que tem por objetivo melhora da força/hipertrofia muscular proporciona grandes elevações da pressão arterial durante sua execução, podendo até levar ao rompimento de aneurismas cerebrais preexistentes. Além disso, durante o treino de hipertrofia, ocorre o fenômeno da Manobra de Valsalva, a qual não é indicada para essas pessoas.

O treinamento resistido é uma modalidade de exercício importante para a população hipertensa e cardiopata, visto que se mostrou eficiente para aumentar a força muscular, uma das principais habilidades físicas que contribuem para a melhora da capacidade funcional e da qualidade de vida dessa população.

Estas são as principais adaptações fisiológicas ao treinamento resistido que nossos alunos (populações especiais) poderão adquirir a partir das primeiras semanas de treinamento:
Melhora do equilíbrio estático e dinâmico.
Melhora da tolerância a estressores ortostáticos.
Aumento da capacidade aeróbia máxima.
Aumento da densidade óssea.
Aumento do armazenamento do glicogênio muscular.
Aumento da sensibilidade à insulina.
Aumento da amplitude de movimentos.
Aumento da área da fibra muscular e da massa muscular total.
Aumento da força, resistência e potência muscular.
Aumento da taxa de síntese proteica miofibrilar.
Aumento da capacidade de enzimas oxidativas.
Aumento do gasto total de energia.
Diminuição da massa de tecido adiposo total.
Diminuição da isquemia induzida pelo exercício aeróbio, ou seja, aumento do limiar de angina (aumento da frequência cardíaca de positivação).
Melhora na composição corporal.
Melhora no metabolismo de glicose.
Melhora na sensibilidade à insulina.
Melhora nos níveis dos lipídios séricos (aumentando os níveis do HDL e diminuindo os de LDL).
Diminuição na pressão arterial sistólica e diastólica em repouso e em cargas submáximas.
Diminuição do duplo produto (pressão arterial sistólica x frequência cardíaca) em repouso e em cargas submáximas

Por Prof. Dr. Newton Nunes. @nunesnewton

Formado em Licenciatura em Educação Física pela Universidade de São Paulo (USP) em 1992. Mestrado na USP em 2000 e Doutorado na USP em 2005. Servidor Público pelo Hospital das Clínicas (HCFMUSP) desde Março de 1994. Professor de Educação Física pelo Instituto do Coração (InCor) desde Março de 1994. Aprovação em concurso público na USP leste em 2008 e 2009. Especialista em Reabilitação Cardiovascular pelo Instituto do Coração (InCor) (1993 a 1994).
Criador do site www.areadetreino.com.br Instagram: @nunesnewton

COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: