O alongamento beneficiando sedentários e atletas

http://gilcomunicacao.com.br/temporario/infitacademia/wp-content/uploads/2014/07/alongamento.jpg

Nossos músculos são responsáveis pelos nossos movimentos, possuem a elasticidade, que lhes permite voltar ao tamanho normal depois de alongados. Entretanto, devido à vida sedentária, posturas inadequadas, estresse diário e a não realização de alongamentos, o ser humano pode desenvolver estruturas do corpo comprometidas pelo desalinhamento ou sobrecarga que sofrem. Com os músculos tensos ou encurtados não haverá amplitude normal de movimentos nem uma boa circulação sanguínea, além de causar desconforto e até dores. Isso mostra a importância de realizarmos alongamentos com frequência e de maneira correta.

Os alongamentos são exercícios voltados para o aumento da flexibilidade muscular, que promovem o estiramento das fibras musculares, fazendo com que elas aumentem o seu comprimento. Quanto mais alongado um músculo, maior a movimentação da articulação comandada por ele e, portanto, maior a sua flexibilidade. Esse resultado é possível porque o alongamento aumenta a temperatura da musculatura e produz pequenas distensões na camada de tecido conjuntivo que revestem os músculos.

A queixa mais frequente de sedentários e atletas é justamente a perda da flexibilidade, provocando, principalmente, dores lombares. Com a prática regular de alongamentos, os músculos passam a suportar melhor as tensões diárias e dos esportes, prevenindo lesões musculares.

É importante alongar adequadamente a musculatura antes e também depois de qualquer atividade física. Isso prepara os músculos para as exigências físicas, protegendo e melhorando o desempenho. Ao despertar, no trabalho, durante viagens prolongadas, no trabalho, em qualquer lugar. Sempre que for identificada alguma tensão muscular, podemos realizar atividades de alongamento para trazer o bem estar.

Antes de tudo, é importante aprender a forma correta de executar os alongamentos, para aumentar os resultados e evitar lesões. Inicie o alongamento até sentir certa tensão no músculo e então relaxe um pouco, sustentando de 30 a 40 segundos, voltando novamente à posição inicial de relaxamento. Os movimentos devem ser sempre lentos e suaves. O mesmo alongamento pode ser repetido, buscando alongar mais o músculo evitando sentir dor. Para aumentar o resultado, após cada alongamento, o músculo pode ser contraído por alguns segundos, voltando a ser alongado novamente.

Os alongamentos não são feitos apenas antes e depois dos exercícios, pois eles servem também para relaxar o corpo e a mente e, quando feitos de maneiras adequadas, ainda traz os seguintes benefícios para o corpo:

- Reduzem as lesões;
- Reduzem o risco de tendinite;
- Relaxam o corpo;
- Ativam a circulação;
- Deixam o corpo mais solto e leve;
- Corrigem a postura;
- Aumentam a agilidade;
- Aumentam o raciocínio;
- Beneficiam a coordenação;
- Preparam o corpo para atividades físicas;
- Melhoram a respiração;
- Facilitam a oxigenação sanguínea;
- Ativam a circulação.

0 comentários:

Como fazer uma boa avaliação física?

http://www.daianagrummt.com.br/wp-content/uploads/2014/05/Slide115.jpg

A avaliação física é um importante processo no treinamento esportivo ou na prescrição de exercícios físicos para saúde ou estética. Quanto maior o número de informações que o professor tiver do seu aluno, mais personalizada será a planilha de treinos. O profissional de Educação Física poderá identificar possíveis fatores de risco para o desenvolvimento de doenças e auxiliar a estabelecer metas para o aluno avaliado a partir da identificação dos déficits apresentados, seja para melhorar o condicionamento físico, o desempenho esportivo e reduzir peso ou percentual de gordura, nunca se esquecendo dos objetivos impostos (e necessários) pelo aluno.

Uma boa avaliação física deve conter:

ANAMNESE: perguntas para identificar histórico esportivo e pessoal; problemas de saúde; restrições médicas e medicamentos utilizados; e os objetivos do praticante.

MEDIDAS CIRCUNFERENCIAIS: feitas com uma trena antropométrica, medimos as circunferências de membros superiores, tronco e membros inferiores.

COMPOSIÇÃO CORPORAL: verificamos o peso e a altura atuais e detectamos o percentual de gordura, peso de gordura, peso de massa muscular, peso ideal e índice de massa corporal (IMC).

ANÁLISE POSTURAL: através de quatro posições, analisamos e indicamos desvios posturais que podem interferir no treinamento e na vida cotidiana da pessoa, e indicamos exercícios para melhorar a postura do avaliado.

TESTE DE FLEXIBILIDADE: podemos medir, por meio de testes adimensionais, os níveis de flexibilidade e amplitude articular das principais articulações e alongamento da musculatura.

TESTES DE FORÇA: utilizamos teste abdominal e de flexões de braços para verificar possíveis pontos de dores que possam limitar a realização correta dos exercícios.

TESTE CARDIORRESPIRATÓRIO: pode ser feito de maneira direta, através do teste físico, ou de maneira indireta, calculada por fórmulas. Determinamos a frequência cardíaca máxima e todos os limites de treinamento, além de verificar a pressão arterial durante o esforço e o nível de esforço muscular de membros inferiores.

Retirei daqui

0 comentários: