Exercícios físicos melhoram a atividade do cérebro







Reações rápidas ou lentas  do cérebro do consumidor: Qual sua empresa prefere?  (Foto: Divulgação)

Quando nos exercitamos, a pressão e o fluxo sanguíneos aumentam em todas as regiões do corpo, incluindo o cérebro, segundo escreveu Justin Rhodes, professor de psicologia da Universidade de Illinois, na revista Scientific American. "Mais sangue significa mais energia e mais oxigênio, o que faz seu cérebro atuar melhor".

Ao longo dos anos, pesquisas têm mostrado que o hipocampo – uma região em forma de cavalo marinho, localizada dos dois lados do cérebro, essencial para as memórias de aprendizado e formação – se ativa fortemente durante a prática de exercícios físicos. Mas recentemente, estudos têm revelado caminhos novos, mais complexos e cheios de nuances pelos quais os exercícios ativam e afetam o cérebro. A revista Fast Company publicou algumas das principais descobertas. Confira a seguir.

1. Rede cerebral
Por exemplo, em relação à massa cinzenta, a parte de carne enrugada na qual costumamos pensar a nos referir a imagens do cérebro. Na verdade, essa é apenas um pedaço da figura total que é preciso compor para entender o que acontece no cérebro. Uma nova pesquisa da Universidade de Illionois, na qual foram examinadas crianças e adultos, mostra que a massa branca do cérebro – a rede de nervos e fibras que conecta e transmite os sinais do cérebro de uma parte para outra – se torna mais fibrosa e compacta com a prática de exercícios físicos.

"Quanto mais branca, ágil e compacta é sua massa branca, mais rápidas e eficientes são as funções do cérebro", afirmou Christopher Bergland, na publicação Psychology Today. "O real inimigo é o sedentarismo. Apenas um pequeno movimento todos os dias ajuda a preservar a integridade de sua massa branca do cérebro".

2. Cabeça e coração
Nós sabemos que exercícios físicos são bons para a saúde cardiovascular, mas novas pesquisas também mostram que a saúde do coração impacta o funcionamento do cérebro – e exercícios desempenham um papel importante nessa conexão.

A aorta, a principal artéria do corpo (responsável por distribuir sangue oxigenado para todo o sistema, incluindo o cérebro), é o ponto de partida do endurecimento das outras artérias, processo que acontece à medida que ficamos mais velhos, de acordo com a pesquisadora Claudine Gauthier.

Um estudo recente, realizado por ela e a equipe de pesquisadores da Universidade de Montreal, descobriu que os adultos que se exercitavam mais eram aqueles em que as aortas apresentavam melhores performances nos testes cognitivos. "A preservação da elasticidade pode ser um dos mecanismos que permite os exercícios de retardarem o envelhecimento cognitivo", de acordo com Gauthier. Um coração saudável gera uma mente saudável.

Durante a prática de atividade física, nossos músculos produzem uma proteína que ajuda a quebrar a kynurenine, substância presente na corrente sanguínea e acumulada como resultado de estresse, segundo Gretchen Reynolds, em artigo do New York Times.

Os exercícios aumentam a produção dessa proteína, que é responsável por combater a substância kynurenine, causadora também da depressão. Portanto, os pesquisadores concluíram que "você reduz o risco de ter depressão quando se exercita", nas palavras de Maria Lindskog, uma das neurocientistas envolvidas no estudo.

3. Vinte minutos é suficiente
A grande questão quando se trata de exercícios físicos é: quanto tempo e com que frequência é preciso praticá-lo para colher os benefícios? De acordo com Reynolds, que escreveu um livro inteiro sobre o tema, 20 minutos é suficiente, especialmente se você não tem sido tão ativo assim nos últimos tempos. "Os primeiros 20 minutos de movimento para alguém que tem sido realmente sedentário promovem a maior parte dos benefícios para a saúde", de acordo com Reynolds. "Você ganha uma vida prolongada e reduz os riscos de doença."

Não se trata de usar a atividade física para perder peso – mas, sim, de se tornar mais em forma e, ao mesmo tempo, manter um coração e uma mente saudáveis. "Se alguém começa um programa de exercícios e aperfeiçoa seu treino, mesmo que não perca um grama, ele, em geral, vai ter uma vida mais longa e muito mais saudável", diz Reynolds.


COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: