Atividade física regular traz benefícios antioxidantes e anti-inflamatórias







http://www.escolapsicologia.com/wp-content/uploads/2010/09/atividadefisicapraia.jpg

Estudos demonstram que somente uma intervenção intensiva multifatorial, envolvendo medidas farmacológicas e modificações de estilo de vida, podem promover efeitos benéficos sustentáveis nas taxas de mote e doença cardiovascular em pacientes com diabetes tipo 2. Os baixos níveis de atividade física (sedentarismo) tem sido considerado um fator de risco para a mortalidade precoce, em paralelo com os hábitos de tabagismo, hipertensão arterial e dislipidemia. A prática regular de atividade física moderada mostra uma capacidade para reduzir o peso corporal, melhorar a sensibilidade à insulina, aumentar os níveis de HDL e , diminuir e normalizar a pressão arterial.

Tem sido sugerido que a hiperglicemia crônica ou mesmo as elevações intermitentes da glicose sanguínea observadas em pacientes com um controle glicêmico aparentemente normal pode contribuir para o desenvolvimento de complicações micro ou macrovasculares. No entanto, muitas vias patofisiológicas podem ser simultâneamente ativadas, o que inclui o estresse oxidativo e a inflamção de baixo grau. O fenótipo dislipidêmico da diabetes é caracterizado pelo aumento nos triglicérides sanguíneos e pela oxidação da LDL, junto com a queda da HDL, sendo responsável pela lipotoxicidade da diabetes. O exercíceio tem atividade similar à insulina devido ao aumento da capacidade muscular em capturar a glicose decorrente da queda intramuscular dos estoques de gordura.

A atividade física aumenta o número de capilares e fibras oxidativas no músculo, aumento a lipólise, o que permite o fluxo livre de ácidos graxos para o tecido, reduzindo a sua concentração no plasma, o que é um inidcador de sua abosrção e oxidação pelos tecidos. O exercício físico regular é capaz de reduzir a taxa cardíaca, melhorando a sensibilidade aos baroceptores aórticos, contribuindo para uma regulação mais eficiente da pressão arterial. Ele ainda causa adaptações na capacidade antioxidante do organismo, protegendo as células contra os efeitos deletérios do estresse oxidativo, prevenindo assim o dano celular.


COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: