Atividade física contra a Asma







Página 1 de 1

Basta uma caminhada mais puxada e lá vêm a tosse, o chiado no peito e a falta de ar. Diante desse quadro característico, que deixa o indivíduo asmático literalmente sem fôlego, é natural surgir certa apreensão quando o assunto é atividade física. Mas, de acordo com novas evidências científicas, isso não passa de um temor infundado. O esporte, diferentemente do que se pensava, ajuda à beça no controle da asma. Desde que praticado adequadamente, que fique claro.

A preocupação com os portadores do distúrbio levou pesquisadores da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, a entrevistar, por meio de questionários eletrônicos, 3 200 educadores físicos. O objetivo era saber como esses profissionais lidavam com atletas asmáticos. Só 17% deles faziam testes para detectar crises induzidas por exercício. E 39% acreditavam que não era preciso disponibilizar um inalador para casos de emergência.

Essas condições explicam por que muitas vezes quem tem asma se sente desmotivado ou receoso em aderir à prática esportiva. Mas o autor da pesquisa, Jonathan Parsons, garante a SAÚDE! que não há motivo para ficar parado. “Com alguns cuidados, como fácil acesso a medicamentos e orientação correta, o treinamento físico é seguro e melhora a capacidade cardiorrespiratória da pessoa”, assegura.

Aqui no Brasil, especialistas do Hospital das Clínicas de São Paulo confirmam o benefício. “Em testes realizados com ratos, verificamos que os exercícios aeróbicos leves e moderados reduziram marcadores de inflamação típicos da asma, como substâncias chamadas citoquinas e interleucinas, além de células denominadas eosinófilos”, conta o fisioterapeuta e educador físico Celso Carvalho, um dos autores do estudo. Ao repetir o experimento com crianças portadoras da doença, mais um motivo para comemorar: “Os sintomas e as crises diminuíram e a qualidade de vida delas melhorou muito”.

Algumas precauções são fundamentais para que o hábito de sacudir o corpo atue a favor dos pulmões de quem tem asma. “Ao iniciar o treinamento, o paciente deve estar estável, sem crises recorrentes. Para isso, é preciso procurar um especialista, que, se necessário, prescreverá medicamentos broncodilatadores e corticoides”, explica Celso Carvalho. O segundo passo é escolher um exercício que agrade. Pode ser caminhada, corrida, ciclismo ou tênis. O importante é que a atividade seja aeróbica.

É imprescindível considerar também as características do lugar onde a pessoa vai se exercitar. “Para esportes aquáticos, como natação ou hidroginástica, deve-se optar por piscinas aquecidas, protegidas do frio e tratadas com sal, já que o cloro é um fator irritante”, sugere o especialista em imunologia Adelmir Machado, coordenador do Programa de Controle da Asma e da Rinite, na Bahia. “Já para aqueles que preferem correr no parque é aconselhável evitar os dias muito secos, os locais poluídos e os horários de pico no trânsito.”

Por fim, é essencial uma conversa com um educador físico ou fisioterapeuta para obter um programa de treinamento que leve em conta o estado de saúde do indivíduo. “Antes de malhar pra valer, faça de cinco a dez minutos de aquecimento em intensidade baixa. Isso ajuda a prevenir o estreitamento dos brônquios, típico da asma”, diz Machado. O ideal é se exercitar de 30 a 60 minutos três vezes por semana. “Vá com calma no início e aumente o ritmo à medida que for ganhando condicionamento”, diz o educador físico Dalton Grande, da Prefeitura Municipal de Curitiba, no Paraná.

Até que o atleta estreante se sinta seguro, recomenda-se que ele tenha uma bombinha de broncodilatador ao alcance das mãos, para o caso de um eventual mal-estar. Mas tanta cautela só é exigida no começo. A expectativa é que o dia a dia do asmático ganhe fôlego novo.

COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: