Exercício reduz os sintomas da depressão pós-parto








A terapia de atividade e exercício físico e educação saudável é um programa que se mostrou efetivo para diminuir os sintomas da depressão pós-parto e aumentar o bem-estar em mães recentes.

A depressão pós-parto é um problema de saúde que aflige 13% de todas as novas mamães em todo o mundo. A maioria dos casos se inicia nos três primeiros meses do período pós-natal (logo após o parto), mas a sua duração pode variar e é determinada por fatores socioculturais, como autoestima, a experiência durante o parto e a possibilidade de acompanhamento psicológico profissional disponível.

Estudos anteriores mostraram que, em geral, os exercícios físicos melhoram o humor tanto em mães jovens quanto as com mais idade que foram diagnosticadas com esse tipo de depressão.

"Dar à luz envolve mudanças físicas, emocionais e sociais", pontua Mary Galea, da Universidade de Melbourne, na Austrália, e uma das autoras do estudo, publicado no periódico Physical Therapy. "O exercício em grupo, acompanhado por um profissional de educação física, pode ajudar a diminuir os riscos da depressão pós-parto."

O estudo acompanhou mais de 160 mães no período após o parto e que haviam acabado de deixar a maternidade. Uma vez por semana, durante 8 semanas, essas mães foram acompanhadas em uma rotina de exercício que durava 1 hora, auxiliadas por educadores físicos e combinados com 30 minutos de acompanhamento educacional. Outro grupo recebeu apenas instruções em forma de anotações e um terceiro grupo não recebeu nenhum tipo de acompanhamento.

Os resultados mostraram uma melhora significante nos testes de sintomas de depressão do primeiro grupo e os resultados se mantiveram após um mês do final do acompanhamento. O número de mães pré-identificadas com possibilidade de desenvolver a depressão pós-parto caiu em 50% ao final do estudo, comparado com os outros dois grupos, afirmam os pesquisadores, o que indicaria que a rotina de exercícios feita em grupo e com acompanhamento profissional é bastante eficaz para tratar o transtorno.

com informações da American Physical Therapy Association

COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: