Como Aumentar o Rendimento de Um Desportista?







Controlo Emocional

Um bom funcionamento do corpo garante mais criatividade, memória, inteligência e pensamentos optimistas e positiva. Em resumo: " Mens Sanae in corporae sanae".

É importante não desvalorizar o peso de uma adaptação psicológica por parte dos desportistas à sua actividade desportiva, quando há um desequilíbrio emocional ou mental isso vai repercutir-se, por vezes de forma brutal, no desempenho do desportista
Se houver um atleta que não está psicologicamente bem preparado, esse atleta vai perder com outro igualmente equiparado em forma física e melhor preparado emocionalmente porque a auto-estima é uma motivação que supera o esgotamento físico, nos desportistas de competição é essencial e torna-se quase uma obsessão.
A autoconfiança e o êxito desportivo devem estar juntos para funcionarem, esta confiança deriva principalmente da imagem que um desportista forma sobre si, por isso imagens mentais de sucesso, êxito, controlo e qualidade de desempenho estão intimamente associadas a um rendimento desportivo de nível elevado.


O stress e o exercício físico
O stress ou ansiedade pode ter várias consequências positivas e negativas para o desportista, o efeito imediato da ansiedade provoca a activação de todos os recursos disponíveis e põe-nos despertos, mas da inicial fase positiva passa-se a uma fase negativa com descontrolo na capacidade respiratória e tensão muscular devido à intima relação entre a mente e o corpo. Um descontrolo causa a mal função de varias partes do corpo e leva-nos a gastar mais energia do que se não estivéssemos ansiosos.
O stress pode provir de quaisquer tipos de acontecimentos como desemprego, divórcio, doenças..., para prevenir o stress não podemos pensar que basta estar deitado num sofá, já que o conceito de relaxamento envolve o afrouxamento da regulação do sistema nervoso, desta forma ao praticar o exercício físico estamos a combater o stress e a apostar na nossa saúde porque o próprio stress pode deixar-nos mais vulneráveis a doenças.
A velha máxima de corpo são em menta sã aplica-se a quem deseja uma vida mais saudável e harmoniosa

Visualização e prática mental
Uma jogadora de golfe muito talentosa que jogava bem durante os treinos não era capaz de dar todo o seu potencial nas competições. No intuito de aumentar a sua autoconfiança o seu treinador sugeriu-lhe que se imaginasse a executar perfeitamente cada movimento antes de o realizar. Apesar de céptica, ela fê-lo mas achou difícil controlar as imagens da sua mente e não viu qualquer resultado imediato seu desempenho, frustrada concluiu que não era capaz de usar esta técnica.
A jogadora chamava-se Carolyn.

Aplicações e prática
Esta prática é muito difícil de controlar e é preciso acreditar nela e pratica-la de forma regular e sistemática para ver resultados, por isso convêm explicar bem aos desportistas em que é que consente para eles se esforçarem porque é impossível supervisionar o treino desta técnica de intervenção psicológica.
A visualização mental distingue-se dos sonhos porque o indivíduo diz que vê uma imagem e sente os movimentos e têm consciência daquilo que está a fazer, esta técnica deve incluir tantos sentidos quanto possível para ser aproveitada ao máximo: visão, audição, olfacto, tacto e até gosto para produzir uma imagem mais nítida.
A visualização mental deve ser vista como um suplemento do treino normal e apenas como um suplemento da parte do treino psicológico.
Esta técnica têm sido amplamente estudada ultimamente e o mais utilizado dos métodos no treino psicológico do desporto, segundo alguns investigadores a visualização mental pode ajudar a adquirir melhores competências físicas, dar-nos a capacidade de estar mais atentos e receptivos e até pode ajudar a curar lesões.
Há declarações de certos atletas que alegam que durante um período de inactividade desportiva mantiveram as suas capacidades desportivas graças a esta técnica, com certeza a sua forma física tornou-se mais desleixada mas a técnica alegam tê-la mantido por este meio, em certas clínicas esta técnica é utilizada para o efeito adverso, para ajudar o cliente a diminuir os seus níveis de activação fisiológica.
Também existem os aspectos negativos desta técnica, por exemplo quando um atleta imagina uma prova em que teve um fraco desempenho, ou imagina outras situações negativas.



Teorias
Muitos são aqueles que questionam a visualização mental como um método fiável, entre muitos estudos realizados e hipóteses levantadas aparecem alguns modelos explicativos como a teoria psiconeuromuscular, a teoria da aprendizagem.


Teoria psiconeuromuscular
Parte do princípio que as respostas musculares ,quando imaginamos as situações de actividade física, são semelhantes quando essas situações estão realmente a acontecer, os impulsos criados durante a visualização mental são não obstante de menor magnitude em relação aos que os atletas realizam em competição.
Ainda não foi encontrada nenhuma evidência empírica sobre esta relação.


Teoria da aprendizagem simbólica
Esta teoria acredita que a visualização mental deve focar-se em levar os desportistas a adquirir padrões de movimento, esta ideia foi confirmada ao longo dos anos, até porque todos os movimentos são primeiro codificados no sistema nervoso central, o que supõe que elaboramos um plano mental das acções antecipadamente.
Esta teoria acredita que a visualização mental ajuda a facilitar este processo de codificação, sendo que os efeitos da imaginação são mais eficazes em tarefas motoras com elevada componente cognitiva/simbólica.


Variáveis mediadoras da efectividade da visualização mental
Há várias variáveis que são passíveis de influenciar o sucesso da técnica de visualização mental, são elas a habilidade imaginativa, perspectiva da imagem, conteúdo da imagem, nível de destreza motora e relaxamento.
A habilidade imaginativa é a clareza com que o atleta imagina e a sua capacidade para não deixar essas imagens distorcerem-se e tornarem-se noutras.
A perspectiva da prática imaginada está relacionada com a posição donde o atleta está quando imagina as situações, se é um espectador ou se experiência as sensações, pensa-se que quando o atleta se imagina que ele está na posição de praticante da acção o resultado é melhor.
Investigações tem revelado que imaginar uma tarefa com resultado negativo provoca na prática maus desempenhos do se imaginássemos uma execução perfeita, assim o conteúdo da imagem também é essencial.
O nível de destreza física dos desportistas também se pensa que interfere na prática mental, não há nenhum consenso sobre o nível de destreza adequado para praticar, mas parece inequívoca a ideia de que é necessária a existência de alguma experiência na tarefa a praticar.
O relaxamento é uma técnica terapêutica aplicada em vários contextos, é utilizada no desporto porque facilita o controlo imaginativo.


Conclusão
A visualização mental é actualmente uma das técnicas mais utilizadas na psicologia do desporto, muitos desportista usam-na de forma ocasional e intuitiva e não a praticam regularmente logo não surte efeitos e é desacreditada, poucos são também os treinadores adeptos desta técnica por isso é difícil desenvolve-la com sucesso.
É uma estratégia válida para quem quiser progredir no mundo do desporto.


COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: