As influências da auto-confiança na performance dos atletas








A auto-confiança pode ser definida como a convicção que um atleta precisa ter para executar determinados comportamentos e alcançar com sucesso uma tarefa. A auto-confiança não se refere à habilidade do atleta em si, mas à avaliação que o atleta tem de sua própria habilidade, ou seja, na confiança que ele tem em sua capacidade para lidar com as necessidades do esporte. Esta auto-avaliação pode levar a comportamentos adaptados ou desadaptados.

Atletas com comportamentos adaptados se caracterizam por ter uma alta persistência frente ao fracasso, pelo constante esforço nos treinamentos e competições e pelo prazer de jogar e de executar as tarefas esportivas. Os atletas com comportamentos desadaptados, ao contrário, não se esforçam, fracassam em persistir frente às dificuldades e evitam os desafios. Isto significa dizer que a auto-confiança tem uma relação direta com a performance esportiva.

A auto-confiança deve ser analisada dentro de uma abordagem multidimensional, com aspectos cognitivos, sociais e fisiológicos. Dentro dos aspectos cognitivos (relacionados ao pensamento), um fator extremamente significativo é a percepção de sucesso e fracasso. Uma percepção de competência positiva originada do sucesso, aumenta o esforço do atleta nos treinamentos e competições, enquanto que uma percepção de incompetência advinda de insucessos, aumenta a ansiedade e diminui o esforço do atleta nas tarefas. Assim, deve-se garantir ao atleta a possibilidade de vivenciar o sucesso mesmo quando os resultados esportivos não são os esperados e isto vale também para os treinamentos.

Não se deve terminar os treinamentos com um erro, mas sempre com algo positivo. Isto cria uma perspectiva positiva para o próximo treino e uma conseqüente disposição psicológica e fisiológica adequadas. Esta avaliação cognitiva do atleta, com relação ao seu desempenho, não se constrói de um dia para o outro. Ela acontece durante a vida e tem sua origem na iniciação esportiva. Por isso, os técnicos das equipes de base têm uma importância tremenda na criação de uma percepção de sucesso em seus atletas, pois o que eles aprenderem a ser nas equipes de base refletirá na carreira profissional.

Clima ambiental

Um dos fatores mais significativos que influenciam a auto-confiança é o "clima ambiental" do contexto aonde ocorre a performance. A percepção que o atleta tem do clima ambiental do seu grupo esportivo tem um efeito poderoso sobre a percepção da dificuldade das tarefas a serem executadas e da conseqüente pré-disposição para executar essas tarefas desportivas.

O papel do técnico na criação do clima ambiental dos treinamentos e competições deve ser um importante fator de análise. Dentro do ambiente esportivo existem técnicos que motivam seus atletas segundo um fator competitivo e outros com o que chamamos de um fator de esforço. Como critério de sucesso, o fator competitivo refere-se aos técnicos que acreditam na vitória e o fator de esforço refere-se àqueles que crêem na melhoria do atleta jogo a jogo, onde torna-se cada vez melhor. O mais importante é que o tipo de estrutura motivacional criada pelo treinador seja compatível com a motivação de cada atleta com que ele trabalha.

Assim, um jogador altamente competitivo em um ambiente desafiador fará com que ele se motive cada vez mais para vencer. Ao contrário, um atleta com uma motivação de esforço elevada em um ambiente muito competitivo pode não motiva-lo adequadamente. Os estudos mostram que não há uma vertente melhor do que outra, mas a adoção do ponto de vista competitivo quase sempre leva a padrões desadaptados de comportamento em alguns atletas mais sensíveis, com elevados índices de ansiedade, estresse e maior probabilidade desses jogadores sofrerem contusões e lesões.

Técnicos bem informados sabem que o sucesso não é sinônimo de ganhar jogos e fracasso não é a mesma coisa que derrota. Mais do que isto, o tipo de sucesso mais importante é dar o máximo esforço. A única coisa que os jogadores podem controlar é a quantidade de esforço que eles fazem. Eles têm controle incompleto sobre o resultado, uma vez que este depende de múltiplos fatores. CoachingCoaching (atuar como técnico) é um desafio recompensador.

No entanto, de forma surpreendente, a importância desta atividade é quase sempre subestimada pelos técnicos, atletas e dirigentes. Através do coaching, os treinadores têm a oportunidade de guiar e modelar características dos atletas durante uma fase muito importante de suas vidas. Os técnicos têm um efeito significativo e a longo prazo sobre o desenvolvimento dos atletas principalmente se forem atletas jovens. Isto vale também para os atletas profissionais, uma vez que há um processo de influência recíproca entre o técnico e os atletas enquanto trabalharem juntos.

Não existe uma abordagem única que possa ser aplicada a todos os técnicos. Entretanto, certos princípios devem ser estabelecidos para ajuda-los a criar um ambiente efetivo para os atletas. Para *****prir este papel, o treinador precisa seguir uma abordagem positiva para influenciar o comportamento dos atletas. A abordagem positiva envolve o uso de elogios e encorajamento como uma tentativa de fortalecer e trazer comportamentos desejáveis. A abordagem negativa, ao contrário, usa várias formas de punição como uma tentativa de eliminar comportamentos indesejáveis.

Pesquisas indicam que abordagens negativas em geral geram estresse, diminuem o prazer do atleta pelo esporte e produzem antipatia para com o técnico. Recomenda-se o uso liberal de reforço para o esforço e para a boa performance. O reforço também é recomendado como uma forma de estabelecer e fortalecer suporte entre os companheiros de time e obediência às regras da equipe. Aos técnicos é recomendável responder aos erros dos atletas com encorajamento e com instruções corretivas mais do que punição.

Quando uma instrução técnica é dada após um erro, o treinador precisa primeiro reforçar o jogador por alguma coisa que ele tenha feito corretamente. A instrução deve ser dada em função do positivo e não das conseqüências do negativo ou do erro. Os técnicos desempenham um papel crítico e central no ambiente esportivo e conseqüentemente na auto-confiança dos atletas. Eles ensinam habilidades esportivas para o domínio do esporte e promovem melhoras no nível de aptidão física. Além disto, o técnico torna-se um adulto significativo na vida do atleta e pode ter uma influência positiva sobre o desenvolvimento pessoal e social, mas para isto precisa ter um estilo positivo de coaching.

É claro que muitos atletas responderão bem às críticas, procurarão melhorar nos aspectos abordados pelo técnico. Entretanto, muitas vezes podemos fazer o atleta responder da mesma forma sem o estresse da crítica e/ou da punicação. Isto não quer dizer que o atleta não deve ter limites. Ao contrário, devem haver normas e regras e estas devem valer para todos, independentemente do status alcançado pelo atleta em sua carreira. A quebra destas normas só deve ocorrer em situações muito especiais.


COMENTE ESSE POST

Compartilhe no Google +

0 comentários: