Conheça 7 tipos de Lesões Musculares que podem acontecer no Esporte



Um músculo traumatizado é geralmente doloroso, hipertônico e muito sensível; o indivíduo sente dor acentuada quando ele é usado, e certo alívio quando em repouso.

Vejamos a seguir alguns tipos de lesões que podem ocorrer em atividade física:

a) Distensão muscular: É o alongamento exagerado do músculo acompanhado de algumas rupturas de fibras musculares. Sendo assim a distensão muscular é uma lesão traumática aguda na unidade músculo-tendinosa (UMT). A força da lesão é indireta (uso excessivo, mau uso, hipercontração) em oposição à direta (pancada, corte, perfuração). Para ocorrer uma distensão, a falta de aquecimento e alongamento e o próprio cansaço muscular contribuem muito, mas o agente causal é sempre um movimento forte de rápida contração ou movimento exagerado contra uma grande resistência. As distensões são classificadas em:

Distensão de Primeiro Grau - é um pequeno trauma da UMT que provoca dor leve, edema e incapacidade, mas geralmente, não prejudica a capacidade de o indivíduo produzir uma contração (embora dolorosa) normal do músculo envolvido.

Distensão de Segundo Grau - é uma lesão moderada da UMT, inclusive com laceração ou ruptura de um número pequeno de fibras musculares e tendinosas, que provoca dor moderada, edema e incapacidade devido à contração anormal (fraca e dolorosa) do músculo envolvido.

Distensão de Terceiro Grau - é uma ruptura completa da UMT. A dor e o edema variam de mínimos a severos, sendo a contração do músculo afetado muito anormal (fraca ou inexistente, geralmente indolor).

b) Estiramento muscular: É um alongamento exagerado do músculo sem rompimento de fibras. Ele aparece como uma dor muscular local, que piora ao esforço. Geralmente não há sinal de derrame sangüíneo. Falta de aquecimento e alongamento assim como as condições fisiológicas do músculo contribuem para a ocorrência de estiramento.

c) Ruptura muscular: É quando ocorre rompimento total das fibras musculares. É comum a perda de função do músculo, hipersensibilidade no ponto de ruptura e contração da massa muscular proximal ao rompimento. A dor da lesão muscular pode ser localizada ou irradiada para toda extensão do membro. O agente causal de uma ruptura é sempre um movimento forte de rápida contração ou um movimento exagerado contra uma grande resistência.

d) Caimbras: São contraturas exageradas das fibras musculares ocorrendo de maneira involuntária e dolorosa. É causada por fadiga muscular decorrentes do excesso de trabalho, vícios de postura e falta de vitamina B.

e) Tendinites: Não podemos esquecer que os tendões também fazem parte dos músculos e excluí-lo desse estudo não seria adequado. A tendinite é a lesão mais comum entre todas modalidades esportivas. Ocorre quando o indivíduo desenvolve gesto mecânico inadequado ou gesto mecânico de altíssimas repetições. A tendinite nada mais é que uma inflamação nos tendões. São exemplos de tendinites: a tendinite do tendão de Aquiles, a tendinite do rotator do punho, a tendinite bicipital, a doença de Quervain, a tendinite peronial e a tendinite tibial posterior entre outras.

f) Contusão muscular: É uma lesão traumática aguda decorrente de trauma direto aos tecidos moles que provoca dor e edema. A contusão vai de leve até uma grande infiltração de sangue nos tecidos circundantes.

Algumas considerações sobre contusões musculares:

O atleta sente, inicialmente, um pouco de dor ou desconforto; porém, muitas vezes, desenvolve-se rapidamente, quando o atleta esfria, rigidez, dor e edema. Não se devem empregar tratamentos com calor, massagens e turbilhonamento, pois essas terapias aumentam a hemorragia.

Publicado em 02/02/08 e atualizado em 09/12/17

Praticar atividade física diminui o risco de câncer de próstata

Idosos que se exercitam tem risco reduzido de câncer (Foto: Istock Getty Images)

Não existe dúvida de que o esporte ou mesmo qualquer atividade física, quando praticados com regularidade mostram diminuição sensível no surgimento de alguns tipos de câncer, principalmente o de próstata.

No entanto, sabemos que determinados esportes que causam traumas crônicos na bacia (pelve masculina), como o ciclismo, seja de lazer ou esportivo, têm incidência aumentada de problemas da próstata. Os resultados de pesquisas sobre o aparecimento dos vários tipos de câncer revelam que as pessoas sedentárias, além do risco cardiovascular aumentado, tem maior risco de surgimento de câncer.

O contrário também foi constatado. Os mais ativos fisicamente, principalmente os idosos que se exercitam em quantidades mínimas de 6 a 9 km por semana foram favorecidos com longevidade saudável com menos casos de câncer. Essa redução do risco, foi espetacular pois chegou a uma redução entre 10-30%.

Em relação à periodicidade dos exames e quais devem ser feitos , continua a recomendação de se fazer a consulta urológica e dosagem do PSA anualmente ao redor dos 50 anos de idade. Quem tiver antecedentes de pai ou irmão com câncer de próstata deve fazer essa avaliação urológica a partir de 10 anos menos da idade em que surgiu a doença no familiar (se o pai teve aos 55 anos, os filhos devem fazer a partir dos 45 anos). O indicado é fazer sempre os dois exames, o clínico (toque retal) e o laboratorial. Assim a chance de acerto é maior que 90%.

Fazer muito esporte por longo tempo e depois parar, muda o prognóstico? Sem dúvida o conceito científico adquirido pelas pesquisas médicas é bem claro. O esporte ou o exercício físico regular só é benéfico enquanto for praticado! Não existe poupança de benefícios acumulados pelo esportista ou atleta. Se foi ativo enquanto jovem para um futuro com poucas ou nenhuma doença, não pare.

O exercício não é vacina para todo o sempre. A fisiologia nos ensina que a duração dos efeitos positivos dos exercícios físicos na prevenção das doenças é curto, dura em média 48 a 72 horas. Por tudo isso que a atividade física regular deve ser constante, enquanto se puder fazer.

Prescrição do Exercício para Idosos baseado em Evidências Científicas





Descrição do curso:

 O Curso é voltado para Profissionais da Educação física que buscam ampliar seus conhecimentos em Prescrição de Exercícios para Pessoas com mais de 60 anos. O Curso foi desenvolvido baseado em Evidências Científicas recentes e está dividido em 11 módulos.


Conteúdo Programático:

- Conceitos e Terminologias;
- Epidemiologia do Envelhecimento no Brasil;
- Alterações na Aptidão Física decorrentes do Envelhecimento;
- Consequências do Envelhecimento na Capacidade Funcional;
- Benefícios do Exercício Aeróbico e Resistido;
- Prescrição do Exercício Aeróbico + Resistido (combinado);
- Princípios Gerais da Prescrição do Exercício;
- Recomendações para o Exercício Aeróbico e Resistido.
- Orientações e Cuidados para a Prescrição do Exercício para Idosos com Doenças Crônicas.

Além de E-BOOK, artigos científicos para a leitura, Grupo fechado no Facebook, Garantia de 7 dias.

E CERTIFICADO emitido após a conclusão do curso de 15 horas.

Tenha acesso ao curso e assista quantas vezes quiser por 1 ano.

Não perca a chance de fazer um curso espetacular, com ótimo conteúdo. 

Clique na imagem abaixo e tenha todas as informações!

http://3.bp.blogspot.com/--bh4hD7vuuw/WVY7EkgsDuI/AAAAAAAAUOM/ZrE5-avG0xYykRcbMBOEDFJey9NZ4XRLQCK4BGAYYCw/s1600/inscreva-se-no-curso.jpg

Informações sobre o Curso:

Produtor: Viajando pela Fisiologia

5 cursos online sobre Atividade Física para Grupos Especiais



O profissionais de Educação Física precisa estar preparado para atuar com atividade física para grupos especiais.  É  preciso entender como classificamos e agrupamos os indivíduos que fazem parte dos chamados Grupos Especiais, pois é a partir daí que vamos determinar como será a prescrição do treino de cada cliente e, principalmente, como vamos controlar as variáveis do treinamento do início ao fim de cada sessão.

Para facilitar o entendimento e grupamento dos indivíduos que compõem os grupos especiais, podemos dizer de um modo geral que todo indivíduo que apresenta algum problema de saúde ou condição de caráter irreversível ou não, que interfira diretamente na prática esportiva ou que apresente cuidados específicos para participar de um programa de exercício físico, se encaixa em alguma população de grupos especiais.

Abaixo, listei 5 cursos online direcionados para cada população especial que o profissional de Educação Física pode trabalhar.  Para saber mais sobre o curso, basta clicar no título:

Curso Online de Prescrição de exercícios para renais crônicos

Descrição do curso: O curso Prescrição de Exercícios para Renais Crônicos  oferece ao profissional de Educação Física conhecimentos sobre etiologia da insuficiência renal,..

Curso Online de Atividade Física para Gestantes

Descrição do curso: Praticar exercícios durante a gestação é importante, pois eles promovem o tônus muscular, a força e a resistência, o que ajudará o corpo da gestante a carregar...

Curso Online de Prescrição de exercícios físicos para portadores de HIV

Descrição do curso: O curso trata da prescrição de exercícios físicos para portadores de HIV e aborda a evolução do vírus, transmissão, tratamento, qualidade de vida do paciente,...

Curso Online de Atividade Física e Envelhecimento

Descrição do curso: O curso Atividade Física e Envelhecimento, por meio da Educação a Distância, oferece ao profissional de Educação Física conhecimentos sobre envelhecimento,...

Curso Online de Obesidade e Atividade Física

Descrição do curso: O curso Obesidade e Atividade Física, por meio da Educação a Distância, oferece ao profissional de Educação Física conhecimentos sobre obesidade, anorexia,...

Avaliação e benefícios para atividade física em Idosos


Ao avaliarmos o indivíduo idoso, devemos ter claro quais são suas perdas principais e como elas afetam sua qualidade de vida. Lembrando que a função principal do nosso trabalho é permitir que a pessoa faça e continue fazendo aquilo que é importante para ela mesma em termos de funcionalidade e independência.

Uma vez que o indivíduo é avaliado e são determinadas quais as perdas, o programa deve ter como objetivo:

1 – prevenir ou retardar a progressão de alguma doença crônica;
2- manter ou aprimorar os níveis de aptidão cardiorrespiratória (capacidade funcional);
3- prevenir as limitações e incapacitações funcionais (flexibilidade, força, coordenação, equilíbrio).

De posse dessas informações, um programa de exercício físicos para essa população deve ser global – exercícios resistidos, aeróbios, equilíbrio, flexibilidade – levando em consideração o índice de envelhecimento. Caso haja alguma necessidade específica resultante do processo de envelhecimento, você pode dar maior ênfase a um determinado tipo de treinamento, mas sem deixar de trabalhar outros componentes.

No processo de envelhecimento, temos duas distinções: a senescência, que seria o "somatório de alterações orgânicas, funcionais e psicológicas do envelhecimento normal" e a senilidade, "afecções que frequentemente acometem a pessoa idosa" .

Os exercícios nos dois casos vêm como atividades que podem prevenir a ocorrência do aumento de alterações funcionais e estruturais do envelhecimento normal, como perda da mobilidade articular, diminuição da força, mas também nas condições patológicas como a obesidade, hipertensão, diabetes, dentre outras. Além disso, oferecem benefícios sociais relevantes como o aumento das relações sociais, diminuindo o risco de depressão, ansiedade, tristeza pela solidão e também proporcionando a manutenção da autoestima e bem-estar.

Conheça o curso "Prescrição do Exercício para Idosos baseado em Evidências Científicas"

O Curso Online é voltado para Profissionais da Educação física que buscam ampliar seus conhecimentos em Prescrição de Exercícios para Pessoas com mais de 60 anos. O Curso foi desenvolvido baseado em Evidências Científicas recentes e está dividido em 11 módulos. Clique aqui para saber mais!

Como incorporar as atividades físicas à rotina do cotidiano?


https://cdn.atividadesfisicas.com.br/wp-content/uploads/2013/01/Roupas-Atividades-Fisicas.jpg


As atividades físicas podem ser definidas como qualquer movimento corporal que implique em um gasto de energia, por isso, ser uma pessoa fisicamente ativa não implica em ser um frequentador de uma academia de ginástica ou ser praticante de um determinado esporte. Os benefícios da prática regular das atividades físicas são inúmeros, tanto na esfera orgânica como mental.

Redução da pressão arterial, melhora dos níveis do colesterol e de suas frações, diminuição da glicemia (taxas de açúcar no sangue) e do peso corporal, são alguns dos benefícios observados. Uma diminuição dos níveis de estresse e ansiedade, além de uma melhora da auto-estima e dos sintomas depressivos, são consequências observadas na esfera psíquica de quem pratica regularmente atividades físicas.

Dicas para incoporar as atividade físicas à rotina cotidiana:

- Procure se organizar para realizar uma caminhada de pelo menos 30 minutos na maioria dos dias da semana. O ideal é totalizar 150 minutos de atividades físicas semanais.

- Caminhe ou pedale ao invés de dirigir, sempre que possível, inclusive para ir à escola ou ao trabalho.

- Suba as escadas ao invés de utilizar o elevador.

- Procure descer do ônibus alguns pontos antes. Finalize o trajeto até o seu destino final caminhando.

- Estacione em vagas mais distantes, de modo a caminhar o restante do percurso.

- Invista em algum equipamento de ginástica, como um esteira ou bicicleta ergométrica, para realizar atividades físicas em sua casa. Que tal assistir o jornal ou o seu programa de TV predileto caminhando ou pedalando?

- Muitas pessoas conseguem obter regularidade em suas atividades física realizado-as pela manhã, antes de iniciar as demais atividades do dia.

- Procure realizar a maior parte das atividades domésticas, como limpeza, lavagem do carro, regar as plantas ou cuidar do jardim.

Quais são os maiores benefícios da atividade física para idosos?


 

Atualmente, percebemos o quanto que o exercício regular vem sendo reconhecido como essencial. Já se sabia, por exemplo, da importância da atividade física durante a infância. Apesar de várias discussões acadêmicas a respeito da Educação Física Escolar, hoje se tornou um cenário corriqueiro ver as famílias direcionando seus filhos à prática do esporte desde novos.

Durante a adolescência infelizmente esses números caem, pois é uma época em que o jovem está dedicado aos estudos, culminando na graduação ou na entrada no mercado de trabalho.

Na fase adulta, os cuidados com a família e a dedicação ao trabalho com carga cada vez maior de envolvimento impede muitos de ter como rotina a prática de exercícios físicos. Quando chegamos ao envelhecimento, normalmente considerado pelo marco etário de 60 anos em países como o Brasil, vemos o distanciamento dessas pessoas às práticas regulares de atividade física.

Com o passar dos anos, temos alterações funcionais e estruturais que podem comprometer o desenvolvimento e o dia a dia dos indivíduos que estão envelhecendo. As principais seriam alterações sensoriais, as doenças ósseas, cardiovasculares e o diabetes (Ruwer, Rossi&Simon, 2005). Vale ressaltar também que o processo de envelhecimento não é sinônimo de doença.

No processo de envelhecimento, temos duas distinções: a senescência, que seria o "somatório de alterações orgânicas, funcionais e psicológicas do envelhecimento normal" e a senilidade, "afecções que frequentemente acometem a pessoa idosa" (Papaléo Netto, 2006, p. 10). Os exercícios nos dois casos vêm como atividades que podem prevenir a ocorrência do aumento de alterações funcionais e estruturais do envelhecimento normal, como perda da mobilidade articular, diminuição da força, mas também nas condições patológicas como a obesidade, hipertensão, diabetes, dentre outras. Além disso, oferecem benefícios sociais relevantes como o aumento das relações sociais, diminuindo o risco de depressão, ansiedade, tristeza pela solidão e também proporcionando a manutenção da autoestima e bem-estar.

Será que você está Preparado para Prescrever Exercícios para Pessoas Idosas? Conheça o Curso Online "Prescrição do Exercício para Idosos baseado em Evidências Científicas". Clique aqui!

Atividades físicas para gestantes

 http://bossamae.com.br/novo/wp-content/uploads/2014/10/atividades-f%C3%ADsicas-para-gestantes.jpg

Atividades físicas são muito recomendadas para as gestantes, porque traz vantagens tanto para o bebê quanto para a mãe. Se a mulher já faz exercício físico, como correr, por exemplo, é um mito que deve parar de fazer essa atividade. Na verdade, ela deve reduzir entrando num ritmo adequado para sua nova situação. E se não faz nenhum exercício físico

Vamos a algumas atividades que podem ser praticadas. 


Caminhada - Caminhar é o exercício ideal para mulheres que eram sedentárias antes da gravidez. Andar ajuda a melhorar o sistema cardiovascular da gestante, disse ele.

Natação - Os esportes aquáticos propiciam conforto às grávidas, com mais de seis meses de gestação, por causa da barriga. Diante de autorização médica, a mulher pode praticar natação sem qualquer risco para o bebê.

Hidroginástica - A hidroginástica é a atividade preferida das gestantes. Por ser dentro da água, elas cansam menos, não há sobrecarga nos pés e melhora as dores na coluna.

Musculação - Se a mulher já frequentava a academia, não precisa parar, mas deve diminuir as cargas dos exercícios para evitar a pressão abdominal. A musculação não provoca o aborto. O profissional que acompanhar o treino da gestante vai passar exercícios que comprimam a barriga ou forcem a curvatura da coluna da mulher. O ideal é que ela faça em uma intensidade que consiga conversar normalmente durante a prática, sem travar a respiração.

Pilates - O pilates não é melhor nem pior para as gestantes dos que os demais exercícios físicos. O que o difere é o fato de ser individual, pois assim a mulher tem um acompanhamento mais detalhado e exclusivo do profissional.

Correr - A mulher que já corria antes de engravidar pode continuar com os exercícios durante a gestação. A diminuição de intensidade vai ocorrer naturalmente, conforme o crescimento da barriga e aumento do peso da grávida. É importante manter o controle da temperatura corporal, a partir do suor - se ele for excessivo significa que a o corpo está demasiado quente e o calor é transmitido ao bebê.

Andar de bicicleta - A atividade não prejudica a gestação, no entanto, a partir de determinado mês, a barriga vai impedir que a mulher pedale com conforto. Outro ponto levantado por Araújo é o risco de queda e acidentes. No entanto, se for uma bicicleta ergométrica não há qualquer risco.

Step - As aulas de step nas academias podem ser frequentadas por grávidas. Porém,  steps muito altos não são indicados para as gestantes. O exercício não aumenta risco de aborto, mas a execução dos passos pode ficar difícil conforme o passar dos meses.

Jump - As atividades sobre a pequena cama elástica estão liberadas, no entanto, com uma restrição. Em vez dos altos saltos, a recomendação é que as grávidas não tirem o pé da cama. Elas podem fazer os movimentos, mas sem saltar. As camas elásticas com corrimão de apoio são mais indicadas para a prática de jump por grávidas.

Yoga - As atividades de origem oriental têm vantagens para as gestantes. A melhora do controle respiratório e postura estão entre elas. As posições da yoga ajudam no estímulo muscular e melhoram as dores na coluna das mulheres grávidas, disse o também educador físico.

Publicao em 22/11/11 e revisada em 25/07/17