Esporte com Saúde na busca da atividade ideal



http://vivomaissaudavel.com.br/static/media/uploads/exercicio-fisico-ideal.jpg

Muitas pessoas tem dúvidas sobre qual a atividade física ideal para se fazer. Além disso, é importante o praticante ter a plena noção do quanto a atividade influi no seu cotidiano e se a intensidade dela está adequada ao seu rtimo físico.

O exercício físico ideal é aquele que vai ao encontro do perfil do aluno, seus objetivos e histórico de saúde. Em todos os casos, deve-se estabelecer uma rotina personalizada, que seja do agrado da pessoa, adequada ao seu estilo de vida e e que possa trazer resultados seguros e graduais. E antes de iniciar qualquer atividade física, deve ser feita uma avaliação médica.

Leia mais:


Falerei um pouco sobre algumas modalidades mais procuradas e que podem ajudar nessa busca do exercício físico ideal.

Ciclismo – Indicado a partir dos 8 anos. Por ser classificado em várias modalidades (Ciclismo de Estrada, Mountain Bike, BMX, Downhill, entre outros), pode agradar a todos os gostos, desde a criança que gosta de pedalar em parques, por diversão, até jovens e adultos que o praticam como esporte ou em ambientes fechados, nas academias (Bike InDoor ou Spinning).

Como não causa grande impacto nas articulações, melhora o condicionamento físico, fortalece a musculatura em geral (em especial o quadríceps), melhora o sistema cardiovascular e o respiratório. Com treino bem orientado, ajuda a controlar os níveis do colesterol, da pressão arterial e ainda a baixar o percentual de gordura corporal. As modalidades mais voltadas à aventura estimulam a produção de adrenalina e serotonina, proporcionam sensação de prazer durante e após a atividade e diminuem o estresse.

Modalidade ideal para quem quer emagrecer, trabalhar a musculatura ou apenas "desestressar". O selim (banco) deve ser ajustado para evitar lesões na genitália masculina, nos tendões dos joelhos e no tendão de calcâneo. Para reduzir estes riscos, é recomendado ajustar o selim conforme a altura da pessoa e também usar equipamentos de segurança (especialmente o capacete, que protege em casos de quedas).

Corrida – Indicada dos 5 aos 80 anos. Praticado por atletas e pessoas preocupadas com a boa forma – e que praticam outras atividades com frequência – assim como por pessoas com atividade física moderada ou com pouco tempo para praticar atividades físicas. Estimula a produção de endorfina – também chamada de "hormônio da felicidade" – e uma das responsáveis pela sensação de prazer, bem estar e diminuição do estresse. Ajuda a emagrecer, beneficia a circulação sanguínea e a musculatura, além de regular o sono.

É uma modalidade ideal para quem tem problemas respiratórios, quer emagrecer ou trabalhar a musculatura. Quanto aos riscos, precisa ser bem orientada para evitar a desidratação, lesões nas articulações dos membros inferiores e a condromalacia patelar, popularmente chamada de "joelho de corredor", uma inflamação na cartilagem que causa dores e desconforto.

Danças – Indicada dos 3 aos 70 anos. Os praticantes costumam ser as pessoas mais descontraídas e bem humoradas, ou que a procuram para se soltar mais e dançar bem em situações sociais. Como principais benefícios, melhoram a coordenação motora, fortalecem a musculatura, ajudam a emagrecer, favorecem a memória, a expressão corporal, a capacidade cardiorrespiratória e estimula o espírito de equipe.

É ideal para quem quer emagrecer com prazer, trabalhar a timidez ou melhorar a concentração. Quanto aos riscos, pode sobrecarregar os tendões, levar a torções nos joelhos e tornozelos por treinos intensos.

Futebol – Abrange todas as idades: pessoas de ambos os sexos, de idades diversificadas, que gostam de praticar atividades físicas em grupo. Melhora a agilidade e a coordenação,trabalha a musculatura, favorece o sistema cardiorrespiratório e o trabalho em equipe. Favorece o relacionamento com outras pessoas e é ideal para quem quer diminuir a gordura corporal. Precisa ser praticado de forma a evitar lesões na cabeça (por quedas ou pancadas), nos ligamentos e fraturas.

Hidroginástica – Indicada dos 25 aos 90 anos. O perfil dos praticantes são aqueles que gostam de aulas dinâmicas em grupo, que não gostam de se exercitar em salas fechadas e que querem evitar impacto nas articulações. A prática regular ajuda a emagrecer e a regular a pressão arterial, fortalece a musculatura, melhora a coordenação motora, a flexibilidade, a circulação sanguínea e a respiração.

É ideal para quem tem problemas respiratórios, quer emagrecer ou melhorar a resistência muscular, assim como pessoas com problemas na coluna, atletas lesionados, gestantes e idosos. Raramente, podem ocorrer lesões musculares por treinos intensos.

Musculação – Pode ser praticada dos 16 aos 90 anos. Atrai pessoas preocupadas com a boa forma física, que desejam desenvolver a musculatura. Em alguns meses de prática, fortalece e define a musculatura, ajuda a emagrecer, favorece a qualidade do sono, reduz o risco de problemas cardíacos, diabetes, colesterol alto e hipertensão. Ideal para quem quer ganhar ou perder peso, ganhar uma musculatura definida e melhorar a resistência muscular.

Treinos intensos ou mal orientados podem causar dores nas costas, desvio de postura, romper ligamentos e provocar lesões nas articulações.

Natação – Ideal para todas as idades. O perfil do nadador varia conforme a faixa etária. No geral, são pessoas preocupadas com a qualidade de vida, que em meio à rotinas conturbadas têm a natação como atividade para relaxar, ou que não gostam de praticar exercícios em salas fechadas. Está entre as atividades físicas mais completas.

Trabalha todos os músculos, melhora a coordenação,o sistema respiratório, regula a pressão arterial, reduz a frequência cardíaca e ajuda a emagrecer. Ideal para quem quer perder peso ou é obeso, busca exercícios leves (uma vez que pode ser praticada de forma leve até intensa) e de baixo impacto ou apenas quer abandonar hábitos sedentários.

Também é um bom complemento para praticantes de corrida ou musculação, pois ajuda a relaxar a musculatura.
Treinos intensos ou mal orientados podem causar lesões e agravar problemas como tendinite e hérnia de disco lombar.

Pilates – Indicada para pessoas de 18 aos 80 anos, que querem fugir do estresse do dia a dia e unificar treino corporal e mental . A força isométrica (sem movimento) é a principal forma de trabalho do Pilates. Melhora a resistência muscular, especialmente a do tronco, ajuda a definir a musculatura e emagrecer. Ideal para quem quer corrigir a postura, aumentar a resistência, trabalhar a concentração, a respiração e aumentar a flexibilidade.

Algumas pessoas sentem dores após treinos físicos e geralmente interpretam como "efeito" do exercício. Mas no Pilates isso pode significar postura ou movimentos errados. Ainda há casos (raros) de lesões musculares.

Yoga – Pode ser praticada desde a mais tenra idade até os 90 anos. Por ser dividida em diferentes linhas, pode agradar vários tipos de pessoas, das mais "zen" às mais agitadas. Aumenta a flexibilidade, ajuda a regularizar a respiração e o metabolismo, relaxa o sistema digestório e a circulação sanguínea.

Ideal para quem quer unificar exercícios físicos, mentais e espirituais; aumentar a flexibilidade, fortalecer a musculatura e trabalhar a concentração. Posturas erradas ou falta de instrução podem ocasionar lesões na coluna ou na musculatura.


Esporte com Saúde na Doença de Parkinson


http://blogs.ne10.uol.com.br/mundobit/files/2013/04/Cause-of-Parkinson-Disease-lg.jpg

A Doença de Parkinson (DP) é um distúrbio neurológico progressivo causado pela degeneração de neurônios da substância negra e prejudica, principalmente, a função de coordenação dos movimentos.

Os benefícios da prática de atividade física regular e com orientação adequada são amplamente reconhecidos e contribuem para uma melhor qualidade de vida. No paciente com Parkinson os exercícios tem importância adicional visando não só os aspectos motores, como também os aspectos psicológicos e sociais.

Leia mais:
É importante frisar que a  atividade física não leva ao desaparecimento da doença, porém, pode retardar sua progressão, principalmente no que diz respeito à rigidez muscular e lentidão dos movimentos. Além disso, melhora a sensação de bem-estar e o estado funcional do paciente.

Os exercícios tem o potencial de ajudar tanto nos problemas motores (como marcha, equilíbrio e força), não-motores (depressão, apatia, fadiga e constipação intestinal) bem como nas complicações secundárias da imobilidade (doença cardiovascular e osteoporose).

A prática regular de atividade física pode ser preventiva para indivíduos sem o diagnóstico da doença e também pode atrasar o aparecimento dos sintomas parkinsonianos naqueles indivíduos com o diagnóstico. Hoje se sabe que a associação dos exercícios físicos com os medicamentos é melhor do que apenas o tratamento medicamentoso isolado.

Incentive o portador de parkinson a fazer atividades físicas regulares.

Uma boa opção sobre a Educação Fisicaa


Ola gente!

Hoje eu vou falar de um site sobre Educação Física  que traz textos desde a atuação do profissional até dicas para os praticantes e é editado por uma profissional de Educação Física.

Parceiro


A Educação Física merece ser tratada com seriedade e o acesso a informação com textos legais é o ponto de partida para que a sociedade em geral saiba o quanto é importante a prática ser orientada por profissionais responsáveis.

A atualização deles nas redes sociais é diária e ao curtir a fanpage e seguir no twitter você fica por dentro das novidades e posts especiais.

Até a próxima!

Exercícios físicos melhoram a atividade do cérebro

Reações rápidas ou lentas  do cérebro do consumidor: Qual sua empresa prefere?  (Foto: Divulgação)

Quando nos exercitamos, a pressão e o fluxo sanguíneos aumentam em todas as regiões do corpo, incluindo o cérebro, segundo escreveu Justin Rhodes, professor de psicologia da Universidade de Illinois, na revista Scientific American. "Mais sangue significa mais energia e mais oxigênio, o que faz seu cérebro atuar melhor".

Ao longo dos anos, pesquisas têm mostrado que o hipocampo – uma região em forma de cavalo marinho, localizada dos dois lados do cérebro, essencial para as memórias de aprendizado e formação – se ativa fortemente durante a prática de exercícios físicos. Mas recentemente, estudos têm revelado caminhos novos, mais complexos e cheios de nuances pelos quais os exercícios ativam e afetam o cérebro. A revista Fast Company publicou algumas das principais descobertas. Confira a seguir.

1. Rede cerebral
Por exemplo, em relação à massa cinzenta, a parte de carne enrugada na qual costumamos pensar a nos referir a imagens do cérebro. Na verdade, essa é apenas um pedaço da figura total que é preciso compor para entender o que acontece no cérebro. Uma nova pesquisa da Universidade de Illionois, na qual foram examinadas crianças e adultos, mostra que a massa branca do cérebro – a rede de nervos e fibras que conecta e transmite os sinais do cérebro de uma parte para outra – se torna mais fibrosa e compacta com a prática de exercícios físicos.

"Quanto mais branca, ágil e compacta é sua massa branca, mais rápidas e eficientes são as funções do cérebro", afirmou Christopher Bergland, na publicação Psychology Today. "O real inimigo é o sedentarismo. Apenas um pequeno movimento todos os dias ajuda a preservar a integridade de sua massa branca do cérebro".

2. Cabeça e coração
Nós sabemos que exercícios físicos são bons para a saúde cardiovascular, mas novas pesquisas também mostram que a saúde do coração impacta o funcionamento do cérebro – e exercícios desempenham um papel importante nessa conexão.

A aorta, a principal artéria do corpo (responsável por distribuir sangue oxigenado para todo o sistema, incluindo o cérebro), é o ponto de partida do endurecimento das outras artérias, processo que acontece à medida que ficamos mais velhos, de acordo com a pesquisadora Claudine Gauthier.

Um estudo recente, realizado por ela e a equipe de pesquisadores da Universidade de Montreal, descobriu que os adultos que se exercitavam mais eram aqueles em que as aortas apresentavam melhores performances nos testes cognitivos. "A preservação da elasticidade pode ser um dos mecanismos que permite os exercícios de retardarem o envelhecimento cognitivo", de acordo com Gauthier. Um coração saudável gera uma mente saudável.

Durante a prática de atividade física, nossos músculos produzem uma proteína que ajuda a quebrar a kynurenine, substância presente na corrente sanguínea e acumulada como resultado de estresse, segundo Gretchen Reynolds, em artigo do New York Times.

Os exercícios aumentam a produção dessa proteína, que é responsável por combater a substância kynurenine, causadora também da depressão. Portanto, os pesquisadores concluíram que "você reduz o risco de ter depressão quando se exercita", nas palavras de Maria Lindskog, uma das neurocientistas envolvidas no estudo.

3. Vinte minutos é suficiente
A grande questão quando se trata de exercícios físicos é: quanto tempo e com que frequência é preciso praticá-lo para colher os benefícios? De acordo com Reynolds, que escreveu um livro inteiro sobre o tema, 20 minutos é suficiente, especialmente se você não tem sido tão ativo assim nos últimos tempos. "Os primeiros 20 minutos de movimento para alguém que tem sido realmente sedentário promovem a maior parte dos benefícios para a saúde", de acordo com Reynolds. "Você ganha uma vida prolongada e reduz os riscos de doença."

Não se trata de usar a atividade física para perder peso – mas, sim, de se tornar mais em forma e, ao mesmo tempo, manter um coração e uma mente saudáveis. "Se alguém começa um programa de exercícios e aperfeiçoa seu treino, mesmo que não perca um grama, ele, em geral, vai ter uma vida mais longa e muito mais saudável", diz Reynolds.

10 atividades físicas e os benefícios para crianças


natação; criança; atividade física (Foto: Thinkstock)

A violência urbana e o magnetismo da televisão e dos tablets atraem as crianças para o mesmo centro de gravidade: dentro de casa. Assim, não é raro que muitas troquem a brincadeira na rua por tardes inteiras entre os games de celular e a programação da TV a cabo. A consequência mais grave da falta de exercícios ainda é obesidade. Doenças vinculadas ao excesso de peso, como câncer, diabetes, doenças respiratórias e doenças no coração, causam 60% das mortes no mundo todo e têm exigido providências drásticas por parte das autoridades da área da saúde.

Para romper a barreira do sedentarismo, é importante que o seu filho tenha atividade física com hora marcada, pelo menos três vezes na semana. Escolha uma modalidade que desperte o interesse dele e deixe a competição para mais tarde: por enquanto, é hora de gastar energia e se divertir! Veja algumas atividades bacanas e os benefícios que elas trazem:

BALÉ
O balé expressa os sentimentos por meio da dança. O que é ótimo para crianças mais introvertidas, como uma ferramenta para vencer a timidez. Os movimentos trabalham alongamento, flexibilidade, postura, fortalecimento muscular e criam consciência corporal. As coreografias desenvolvem noção espacial, criatividade, musicalidade e coletividade, já que é preciso acompanhar os movimentos dos demais. As aulas podem começar a partir dos 3 anos de idade, no entanto, a regularidade do uso da sapatilha de ponta só pode acontecer aos 12. Isso porque os pés das crianças pequenas crescem com mais velocidade e o calçado pode alterar a formação dos pés.

CAPOEIRA
Apesar de ser uma luta, quase não há contato físico. Além de jogar, os capoeiristas aprendem a cantar e tocar, desenvolvendo ritmo e musicalidade. Defesa, alongamento, bons reflexos e coordenação motora estão entre os maiores benefícios, assim como tônus muscular e equilíbrio, graças aos movimentos com apoio nos membros superiores e inferiores. Sem falar é que uma maneira bacana e interativa de conhecer a cultura brasileira. A partir dos 5 anos, está liberado.

CIRCO
As atividades são lúdicas, despertam o lado criativo e treinam habilidades, como jogo de cintura e improviso. Sim, há movimentos mais desafiadores, como as manobras nos tecidos e os saltos no trapézio, que garantem fortalecimento muscular e flexibilidade. Por isso, é uma atividade que estimula a coragem e o desafio pessoal e requer orientação e equipamentos de segurança. O circuito acrobático, onde se aprende a dar cambalhotas, pode começar a partir dos 3 anos, mas é só depois dos 6 que as aulas com contorcionismos e saltos acontecem pra valer.

FUTEBOL
Coordenação motora, lateralidade, noção espacial, velocidade de reação e agilidade estão entre os maiores ganhos. Por causa das possíveis colisões, é importante que a criança jogue com outras da mesma faixa etária (que tenham o mesmo tamanho). Como os meninos e meninas crescem com uma grande pressão para terem bom desempenho no esporte-paixão-nacional, não estimule a competição, nem pressione por vitórias. Os maiores ganhos são o sentimento de pertencer a um time, de fazer um bom trabalho em equipe e de se divertir. A criança já pode calçar as chuteiras a partir dos 4 anos.

JUDÔ
Ele é mais do que um esporte: é uma filosofia de vida. Além de proporcionar uma série de benefícios físicos, como ganho de força muscular, alongamento e bons reflexos, também estimula o respeito pelo adversário e a disciplina. Crianças que são mais agitadas ou que ainda não sabem como usar a força da maneira correta ganham maior concentração e autocontrole.  A prática é recomendada a partir dos 5 anos, quando a criança está apta a aprender a maneira correta de cair, sem se machucar.

NATAÇÃO
Aposto que você cansou de ouvir que a natação é o esporte mais completo de todos. E é verdade. O exercício trabalha todos os grupos musculares na mesma proporção, sem impacto, melhora o alongamento e aumenta a capacidade pulmonar, já que o controle da respiração é imprescindível. A única contraindicação é para crianças com alergia ou otites (nesse último caso, tampões feitos sob medida devem resolver). Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, as crianças já podem aproveitar as aulas na piscina a partir dos 6 meses.

PATINAÇÃO NO GELO
Não tem tradição no Brasil (por motivos óbvios), mas vem ganhando espaço. Auxilia no desenvolvimento da coordenação motora, trabalha flexibilidade, agilidade, força e, sobretudo, equilíbrio. A alta velocidade e a superfície escorregadia podem acarretar quedas espetaculares, por isso é indispensável o uso de equipamentos de segurança, como joelheiras, cotoveleiras e capacete. Melhor esperar até os 7 anos.

PAREDE DE ESCALADA
Força, coordenação motora, determinação e um bocado de autocontrole são necessários para chegar até o topo. Como é preciso desenvolver uma estratégia, planejando o melhor caminho a fazer de acordo com disponibilidade de apoios para os pés, é ideal para crianças maiores, a partir dos 7 anos. Antes disso, pode causar um estresse desnecessário.

TÊNIS
A raquete trabalha os reflexos, a força e a coordenação motora. Os jogos podem até ajudar no aprendizado da matemática, já que a criança tem que saber contar os games. O único cuidado é exercitar também os membros inferiores, para evitar desproporções. A raquete deve acompanhar o tamanho da criança, que pode fazer sua estreia no esporte a partir dos 7 anos.

IOGA
Algumas academias já têm aulas direcionadas para crianças. Além do baixo risco de lesão, as diferentes posturas trabalham com alongamento, concentração e flexibilidade, fazendo com que se crie uma consciência corporal. A respiração também é treinada para acompanhar os movimentos. A partir dos 5 anos dá para ensaiar as primeiras saudações ao sol.

A hidratação ajudando a ter saúde no exercício físico

http://gsesportes.com.br/wp-content/uploads/2013/08/higiene-saude-mulher-segurando-garrafa-agua.jpg

Quando você faz exercícios de maneira constante por uma hora, seu corpo perde mais água do que é capaz de produzir. Se não houver reposição, você se desidrata e prejudica sua saúde. Portanto, é preciso ingerir a água que o seu organismo gasta todas as vezes que você realizar atividades físicas, principalmente no verão ou em dias de sol.

Durante a atividade física, seu corpo perde muito líquido através do suor, afinal a forma que ele encontra para manter a temperatura a 37°C é evaporar água pela pele. Por isso, durante um exercício intenso, como pedalar, nadar ou jogar vôlei, 90% da água que você gasta é eliminada pelo suor.

Além disso, a água também interfere em outros mecanismos muito importantes, como transporte de oxigênio para os músculos, através dos glóbulos vermelhos do sangue; eliminação do dióxido de carbono pela respiração e regulação da pressão arterial, para o bom funcionamento do coração e da circulação. O suor é composto por água (99%), alguns nutrientes, principalmente sódio e cloro, e, em quantidades muito pequenas, potássio, magnésio, cálcio, ferro, cobre e zinco.

A  água pura "não é a bebida ideal quando se necessita repor líquido com rapidez e por completo". O ingrediente essencial que deve estar presente numa bebida de reidratação é o sódio. Além disso, acrescentar açúcar à bebida melhora o sabor e ajuda o organismo a assimilar a água e o sódio com mais rapidez.

Consumir os líquidos frios ou gelados é melhor porque assim a absorção da água é mais rápida. Também é preciso descartar os refrigerantes, as bebidas que contêm cafeína ou álcool (por causa do efeito diurético) e os sucos de frutas ácidas (laranja, limão, etc.). Uma forma prática de ficar bem hidratada nos dias de atividade física é tomar água fresca em pequenos goles, antes e durante os treinos. E também consumir bebidas esportivas, como as isotônicas, que são preparadas com os ingredientes ideais para hidratar o seu organismo em poucos minutos.

Atividade física melhora qualidade de vida dos doentes renais



Devido às limitações a que estão sujeitos como consequência da doença, muitos doentes renais crónicos descartam quaisquer atividades físicas. Porém, a prática de exercício físico por pelo menos trinta minutos por dia traz uma melhorar a qualidade de vida dos doentes.

Os doentes renais crónicos, essencialmente os que estão a fazer hemodiálise, apresentam algumas limitações no que diz respeito à tolerância ao exercício físico, uma situação que pode ser consequência de uma anemia ou disfunção cardiovascular.

Apesar desta condição, é importante que os doentes renais não abdiquem da atividade física. Uma caminhada de apenas trinta minutos por dia pode fazer a diferença e pode ser eficaz na diminuição das limitações a que estes doentes estão sujeitos. No entanto, é importante aconselharem-se com o médico para avaliar o melhor programa de exercícios, pois cada caso, estando dependente de diversos factores, requer uma atenção especializada.

 A progressão da doença é muitas vezes silenciosa, isto é, sem grandes sintomas, tendo como consequência uma tardia consulta médica num elevado número de doentes, podendo diminuir assim a possibilidade de uma total recuperação da função renal.

Portanto, inserir a atividade física pode melhorar a qualidade de vida do doente. Consulte o seu médico e procure um profissiona especializado!

46% dos brasileiros optam pelo sedentarismo

http://malharbem.com.br/wp-content/uploads/2014/02/sedentarismo1.jpg?8ab708

Quase a metade dos adultos, 46%, no Brasil é de sedentários, segundo Pesquisa Nacional de Saúde. O levantamento aponta que cerca de 67,2 milhões de pessoas excluídas do exercício físico. O ranking de sedentarismo é liderado pelas mulheres, com 51,5% ou 39,8 milhões, contra 39,8% ou 27,4 milhões dos homens.

 

O percentual de mulheres "insuficientemente ativas" varia de 50,3% na região Sul a 56,4% no Norte, que também lidera o maior número de pessoas sedentárias, 48,1%. Entre os homens, essa variação fica entre 37,3% no Nordeste e 41% no Sudeste. Mais da metade, 62,7%, das pessoas de 60 anos ou mais estava inativa o ano passado. Já o grupo menos sedentário é o de idade entre 18 e 24 anos, chegando a 36,7%.

Das pessoas sem instrução ou com ensino fundamental incompleto, 50,6% são "fisicamente inativos". É o grupo mais representativo entre os demais. Em relação à etnia, os brancos são um pouco mais sedentários, 47,9%, do que os pardos, 44,8%, e os pretos, 42,4%.

O estudo aponta que um dos fatores que levam ao sedentarismo é o hábito de assistir à televisão. O Sudeste lidera a lista de moradores, 31%, que aderiam ao costume em 2013. O Rio de Janeiro é o Estado com o maior número, 40,4%); seguido pelo Espírito Santo, 29,4%; São Paulo, 28,9%; e Minas Gerais, 28,1%. A pesquisa revela ainda que 37,2% das pessoas de 18 anos ou mais de idade consomem carne ou frango com excesso de gordura no País. (com agências)